983706779

terça-feira, 18 de outubro de 2011

"O Google+ é patético", diz engenheiro do Google

Foto: Reprodução
 

Um engenheiro de software do Google, chamado Steve Yegge, publicou sem querer um texto em que criticava duramente o Google pela criação do Google+ em seu perfil na própria rede social. "O Google+ é patético, no final das contas", disse ele na mensagem, que deveria ser enviada apenas para funcionários do Google.

Uma das primeiras críticas de Yegge à rede social se refere a falta de interfaces de programação de aplicativos (APIs) no lançamento do produto, ocorrido no final de junho de 2011. Ele reclama da demora em resolver o problema, já que, alguns meses após o lançamento, o Google+ oferece apenas uma API para os desenvolvedores.


A principal crítica, no entanto, tem a ver com a criação da nova rede social do Google como produto para concorrer com o Facebook, rede social mais popular do mundo com quase 800 milhões de usuários.


"O Google+ nasceu da incorreta percepção de que o Facebook fez sucesso, porque eles criaram um ótimo produto, mas o Facebook teve sucesso, porque criou uma constelação de produtos ao deixar que outras pessoas os construíssem", escreveu ele.


Segundo o engenheiro, o Google+ nada mais é do que uma cópia mais limpa do Facebook. Segundo ele, o Google deveria ter criado uma plataforma e desenvolvido outros serviços sobre ela, como o Facebook fez. "Não podemos continuar lançando produtos e achando que os transformaremos em mágicas e belas plataformas extensíveis depois. Nós tentamos isso e não está funcionando", disse Yegge.


"Não conheço o Google", diz engenheiro em pedido de desculpas

Um dia após o vazamento da carta endereçada a outros funcionários do Google por meio da rede social, Yegge despublicou o texto e assumiu o erro de ter compartilhado o texto de forma pública. "Publiquei o texto por volta de meia-noite e não sou o que vocês poderiam chamar de usuário experiente do Google+", disse ele na mensagem, também divulgada por meio da rede social.


Segundo ele, não houve pressão da equipe de relações públicas para que o texto fosse deletado, pois o Google não pratica censura interna, porém Yegge resolveu apagar o texto de qualquer forma. Para justificar sua ação, disse que o texto contém apenas opiniões pessoais que, apesar de parecerem acuradas, não refletem a realidade do Google. "Mesmo agora, após seis anos, continuo sabendo pouco sobre o Google. De onde trabalho, tenho apenas uma pequena ideia de tudo que está rolando no Google", disse na mensagem.

Fonte: IG
Postar um comentário
UA-15674926-13