983706779

sábado, 14 de janeiro de 2012

Rede social coloca Google e Twitter em rota de colisão


Peter Dejong/AP / Peter Dejong/AP
Eric Schmidt, presidente do conselho
do Google: negação de que resultados das
pesquisas favoreceriam o site Google+

O Google e o Twitter envolveram-se em uma guerra de palavras sobre a nova atualização do chamado "your world", do Google, que extrai informações da rede social Google+ diretamente para os resultados de busca dos usuários. A novidade levantou preocupações de que enfatizaria demais a rede social do Google em relação a seus concorrentes.

O conflito vem à tona depois do fracasso nas negociações para renovar um contrato que permitia ao Google indexar o fluxo constante de centenas de milhões de mensagens diárias postadas no Twitter, ou tweets.

Concorrente do Twitter e do Facebook pela atenção do consumidor e, de maneira crescente, pelos dólares dos anúncios on-line, o Google tem tentado incorporar mais "avisos" das redes sociais em seus resultados de busca, criando uma experiência mais personalizada para cada usuário.

Essa personalização depende, em grande parte, de um usuário tornar-se membro do Google+, a rede social da companhia de busca, já que o Facebook e o Twitter proíbem o Google de indexar muitos de seus sites. Ao lançar a atualização "search plus your world" (algo como busca mais seu mundo), o Google também disse que certas buscas teriam como retorno resultados de "pessoas proeminentes que frequentemente discutem esse tópico no Google+" na parte direita superior de sua página, onde geralmente são mostrados anúncios pagos e, algumas vezes, recursos do Google como mapas.

Na terça-feira, o Twitter afirmou estar "preocupado que, como resultado das mudanças feitas pelo Google", localizar tweets e contas no microblog, especialmente relacionados à notícias de última hora, "torne-se muito mais difícil para qualquer um". "Achamos que é ruim para as pessoas, as editoras, as empresas de mídia e os usuários do Twitter", divulgou a companhia.

O Google respondeu usando o perfil institucional em sua rede social Google +, dizendo ter ficado "surpreso com os comentários do Twitter sobre o ’Search plus Your World’, porque eles haviam optado por não renovar o contrato que tinham conosco".

Desde então, o Google ficou impossibilitado de anexar links de mensagens postadas no Twitter, algo que anteriormente já havia ficado no topo da lista de elementos mais usados do Twitter. Apesar disso, o Google ainda mantém bilhões de resultados relacionados ao Twitter em seu índice.

O Google e o Twitter envolveram-se em uma guerra de palavras sobre a nova atualização do chamado "your world", do Google, que extrai informações da rede social Google+ diretamente para os resultados de busca dos usuários. A novidade levantou preocupações de que enfatizaria demais a rede social do Google em relação a seus concorrentes.

O conflito vem à tona depois do fracasso nas negociações para renovar um contrato que permitia ao Google indexar o fluxo constante de centenas de milhões de mensagens diárias postadas no Twitter, ou tweets.

Concorrente do Twitter e do Facebook pela atenção do consumidor e, de maneira crescente, pelos dólares dos anúncios on-line, o Google tem tentado incorporar mais "avisos" das redes sociais em seus resultados de busca, criando uma experiência mais personalizada para cada usuário.

Essa personalização depende, em grande parte, de um usuário tornar-se membro do Google+, a rede social da companhia de busca, já que o Facebook e o Twitter proíbem o Google de indexar muitos de seus sites. Ao lançar a atualização "search plus your world" (algo como busca mais seu mundo), o Google também disse que certas buscas teriam como retorno resultados de "pessoas proeminentes que frequentemente discutem esse tópico no Google+" na parte direita superior de sua página, onde geralmente são mostrados anúncios pagos e, algumas vezes, recursos do Google como mapas.

Na terça-feira, o Twitter afirmou estar "preocupado que, como resultado das mudanças feitas pelo Google", localizar tweets e contas no microblog, especialmente relacionados à notícias de última hora, "torne-se muito mais difícil para qualquer um". "Achamos que é ruim para as pessoas, as editoras, as empresas de mídia e os usuários do Twitter", divulgou a companhia.

O Google respondeu usando o perfil institucional em sua rede social Google +, dizendo ter ficado "surpreso com os comentários do Twitter sobre o ’Search plus Your World’, porque eles haviam optado por não renovar o contrato que tinham conosco".

Desde então, o Google ficou impossibilitado de anexar links de mensagens postadas no Twitter, algo que anteriormente já havia ficado no topo da lista de elementos mais usados do Twitter. Apesar disso, o Google ainda mantém bilhões de resultados relacionados ao Twitter em seu índice.

Eric Schmidt, presidente do conselho do Google, afirmou ao portal "Marketing Land" que a companhia ainda está aberta a negociações com o Twitter e o Facebook, e negou que os resultados da nova busca favoreçam o Google +.

O estabelecimento de prioridades em mecanismos de buscas é uma questão particularmente delicada para o Google, em um momento em que reguladores da Comissão Europeia ainda avaliam decisões sobre denúncias de discriminação em resultados de busca.

Fonte: Valor Econômico - por Tim Bradshaw | Financial Times, de Londres
Postar um comentário
UA-15674926-13