983706779

domingo, 25 de março de 2012

Depois de dois anos de espera pelo Google, Mozilla adota H.264 para vídeos


Quase dois anos depois de um pontapé, em sucesso, que levaria o Google à liberação da tecnologia codec de vídeo VP8 à comunidade open source , a Mozilla cansou de esperar por seu cavaleiro branco e se rendeu ao suporte para compressão de vídeo H.264, apoiado por Apple e Microsoft.

Tudo começou em 2010, quando o Google animou a comunidade de software livre ao confirmar que disponibilizaria a tecnologia codec de vídeo VP8, adquirida no ano anterior por meio de sua compra de On2, em uma base open source. O anúncio, que na época foi feito durante a conferência de desenvolvedores Google I/O, teve a participação do vice-presidente de engenharia da Mozilla, Mike Shaver, que apareceu no palco para dar US$ 120 milhões de presente ao gigante de buscas como uma bênção por suportarem padrões abertos.

Por ter resistido em implementar o padrão para compressão de vídeo H.264 no Firefox, a Mozilla se apoiou no Adobe Flash como uma tecnologia de retorno. Neste meio tempo, a fundação responsável pelo navegador Firefox apostou todas as suas fichas no código aberto WebM, que empacota vídeos VP8 com áudio Vorbis. Mas com o abandono do Flash em dispositivos móveis, a organização ficou sem opções.

O CTO da fundação, Brendan Eich, caracterizou a batalha de vídeo na web como perdida. “O H.264 é absolutamente necessário para uma empresa que quer competir no mundo móvel”, escreveu.” Eu não acredito que podemos rejeitar o conteúdo H.264 no Firefox, no Android ou no B2G [sistema operacional baseado em web que a fundação está produzindo] e sobreviver à mudança para o celular.”

Isso não significa que a Mozilla deverá cobrar uma taxa dos consumidores que fizerem o download do Firefox para conseguir lidar com os licenciamentos de patentes que muitos acreditam que virá com a distribuição do código do H.264 no navegador. O executivo repetiu copiosamente que a fundação não forçaria as pessoas a pagarem pelo usor.

A ideia é se apoiar nas capacidades de decodificação no H.264, que é baseado tanto em hardware quanto em sistema operacional, que são construídos dentro do ambiente Android. Essas mesmas capacidades estarão no B2G, o sistema operacional baseado em web que a Mozilla está produzindo. Presumivelmente, isso coloca o Google, como o desenvolvedor do Android e de fabricantes de plug-ins que providenciam suporte a H.264, na mira para quando, e se, advogados de patente vierem bater à porta da instituição.

Apesar de detestar patentes de software, Eich garante não ter problema com isso dentro do ambiente móvel: o H.264 é construído dentro de um hardware móvel agora e o suporte ao hardware WebM não chegará em tempo suficiente para ser relevante neste ano ou no próximo. “Perder uma batalha é uma experiência amarga”, assumiu o executivo. “Eu não vou dourar a pílula. Mas terei que engolir isso se quisermos ter sucesso em nossas iniciativas móveis. Falhar em mobilidade pode resultar em um declínio e irrelevância da Mozilla”, disse.

Postar um comentário
UA-15674926-13