983706779

domingo, 13 de janeiro de 2013

Redes sociais: cinco previsões para 2013


O ano que passou viu alguns grandes marcos nas redes sociais, mas muitos deles foram nas mídias externas. Entretanto, é seguro dizer que 2012 não foi o ano do Social Business, mas podemos dizer que foi o ano em que as tecnologias sociais fizeram incursões interessantes nos negócios. Mas o que está por vir em 2013? Aqui estão algumas previsões:

1. Se sua companhia não está falando sobre tecnologias sociais, ela vai falar.

Um diretor de relações públicas, amigo meu, me disse que em seu ambiente de trabalho – uma empresa de serviços sociais – investirá no uso de redes sociais este ano. Ele disse estar nervoso, pois tudo isso parece muito novo, mas acrescentou que sabe que ‘a locomotiva social’ está correndo, e sua empresa precisa pular a bordo ou será deixada para trás.

Ele não está sozinho. De fato, em 2013 pode não ser o ano que sua companhia pule no vagão – ou mesmo mergulhe os pés – no Social Business. Entretanto, até o final do ano, qualquer organização que queira ser competitiva em seu campo estará falando ou planejando sobre como as tecnologias sociais podem e devem ser usadas.

2. As tecnologias sociais entrarão na sua empresa “pela porta dos fundos”.

Sua organização pode ou não decidir proativamente por usar as tecnologias sociais este ano, mas o Social terá presença dentro de casa. Seja como um teste do diretor de comunicação da página do Facebook, clientes reclamando ou elogiando sua companhia no Twitter, ou, mais tradicional, as aplicações corporativas podem sofrer atualizações com capacidades sociais. Ai estará o Social Business. E é por isso que sua empresa deve ter algumas políticas em torno dessas tecnologias, não importa onde esteja o espectro social.

3. As aplicações corporativas vão integrar mais funcionalidades sociais.

Como foi citado no tópico anterior, uma das maneiras que as organizações começarão a ver as tecnologias sociais será através das atualizações de aplicações existentes ou integração de novos produtos. Do CRM aos apps de produtividade, até aos sistemas de business intelligence, as capacidades sociais, como colaboração e busca especializada, traçarão seus caminhos para dentro de mais e mais produtos que sua empresa já usa.

4. Você será julgado pela sua presença social.

Uma das primeiras coisas que os gestores responsáveis por contratações vão fazer é verificar a sua presença na mídia social pública. Entretanto, mesmo que você não tenha intenção de deixar seu atual posto, alguém que você contratará, ou fará uma reunião com você, ou até mesmo que trabalhe contigo, vai conferir seu perfil no Twitter, Facebook e, especialmente, o LinkedIn. Você se mostra entendido das redes sociais? Sua presença nas redes sociais é livre e transparente para qualquer coisa que você não queira que seu chefe ou sua mãe veja? Você ao menos tem presença nessas redes?



Ouvimos alguns profissionais dizerem que ter presença não importa e que as redes sociais são um fardo. Mas importa e não é um fardo, e algumas pessoas procuraram saber de você pelas redes sociais – de maneira mais forte este ano.

5. O Facebook terá menos importância; Twitter e Pinterest terão mais importância.

Esse foi um no difícil para o Facebook desde seu apagado IPO em maio até à confusão (criada pela irmã de Mark Zuckerberg, e ninguém menos) sobre as constantes mudanças na privacidade da rede. E este é o problema.

Facebook está em constante fluxo de mudanças, e as novas funcionalidades disponibilizadas parecem murros em ponta de faca. Esse á um problema para empresas que estão apostando muito de seu marketing, serviços ao cliente e orçamento na plataforma. Já no Twitter as empresas conseguem mais efetivamente envolver e aumentar seus clientes e presença. O mesmo acontece no Pinterest, que, por mais que tenha sido menos testado, tem feito um bom trabalho em trabalhar com imagens como parte das ferramentas de vendas e marketing.

Acreditamos que as empresas vão frear um pouco a presença delas no Facebook e saltar para alternativas como Twitter e Pinterest.

Então, será 2013 o ano do Social Business? Eu acredito que não. De fato, não acredito que este ano será o ponto de partida das tecnologias sociais em torno de ganharem espaço e presença garantida dentro do mundo dos negócios. Porém, acredito, as tecnologias sociais continuarão a ganhar caminho dentro dos produtos corporativos e as empresas continuarão a experimentar novas práticas de colaboração social.

Postar um comentário
UA-15674926-13