983706779

segunda-feira, 11 de março de 2013

Redes sociais ajudam jornalista a perder 20 quilos em quatro meses

Todo dia, pessoas se inscrevem pela internet e caminham com Marcus Andrey.
'Importante é ter compromisso consigo mesmo e com o outro', defende.


Lorena Aquino

Quem lê o título desta reportagem pode não entender como é possível que a internet colabore para alguém emagrecer. No entanto, a invenção está dando certo: na semana passada, a pesagem mensal do jornalista Marcus Andrey marcou 119,9 kg na balança, 20 a menos que seu peso inicial, após quatro meses de esforços. Tudo isso porque desde o dia 6 de novembro de 2012, Marcus acorda cedinho, por volta das 5h da manhã, com os raios da Aurora, rua onde mora no centro do Recife. Durantes estes 126 dias, ele tem convidado voluntários pela internet, através de seu blog e de redes sociais, para andar cerca de 6 quilômetros em diferentes parques da cidade. Ele é o inventor da chamada “Dieta da Rede Social”, com o objetivo de ter uma companhia diferente a cada dia como incentivo para emagrecer 40 quilos em 365 dias ininterruptos de caminhadas.

Todos os dias, Marcus caminha cerca de 6 quilômetros na companhia de um voluntário. Ele tem um aplicativo no celular que indica a quantidade de metros caminhados (Foto: Lorena Aquino/G1)

Dia após dia, com a ajuda das redes sociais, uma pessoa diferente vem trazer um novo tema para distrair as caminhadas. As pessoas podem fazer a inscrição para ser voluntário através do blog que o jornalista mantém, contando como foi a caminhada do dia. Os textos também são divulgados através do Facebook, o que amplifica a divulgação. Os voluntários são amigos, conhecidos e até mesmo gente que simplesmente gostou da ideia e resolveu colaborar. “Essa dieta trouxe meus amigos para mim. Aqui eu me relaciono com as pessoas, fico em dia com os ‘babados’ e todo mundo sempre tem algo a acrescentar”, afirma Marcus Andrey. Ele gosta de saber que a cada único dia de esforço de um dos voluntários é mais um importante dia cumprido nos seus 365 planejados.

“Como eu perdi 50% do meu peso em 33% do tempo, é possível que eu consiga perder ainda mais, ao final de um ano”, acredita Marcus Andrey. Ele afirma que, se der certo, vai iniciar o que chama de "fase dois" do projeto. Atualmente, ele faz caminhadas diárias, mas pretende levar a dieta para uma academia, se chegar aos 100 quilos antes do previsto. “Vou tentar negociar duas bolsas para fazer musculação, e continuar tendo uma companhia diferente a cada dia. Acredito que é possível adaptar”, explica.

Por causa das diferentes personalidades que o acompanham, ele não encara o regime como sacrifício e afirma que até já questionou sua efetividade por isso. “Eu abri mão de muita coisa, saí da minha zona de conforto, mas estou adorando. Às vezes me pergunto: será que estou mesmo emagrecendo? A gente sempre associa o emagrecimento ao sacrifício, mas para mim está sendo um prazer”, comenta Andrey. A balança não deixa mentir e responde positivamente sobre a perda de peso.

Alongamento precisa virar hábito para Marcus Andrey (Foto:
Lorena Aquino/G1)

Na última quinta-feira (7), a voluntária da vez foi Geise Nascimento, formada em educação física e professora de pilates, técnica que trabalha força, flexibilidade e tonificação do corpo. De cara, a profissional já orientou Marcus a fazer alongamento antes do exercício no Parque da Jaqueira, na Zona Norte do Recife. Ele obedeceu, mas prontamente confessou que não era um hábito; ele havia se alongado pouquíssimas vezes nestes 126 dias eestá tudo relatado no seu blog. “Unanimidade entre os gordos é de que o tal do alongamento é um saco! E não é para menos, afinal, nossos movimentos são limitados pela pança avantajada, coxas roliças e braços igualmente fofos e com pouca elasticidade”, escreve Andrey, sem deixar de fazer piada consigo mesmo.

Apesar da bronca, Geise apoiou a iniciativa de pedir ajuda às redes sociais. Ela conheceu o blog e a ideia de Marcus Andrey através de uma amiga em comum da academia onde ela trabalha. “Eu sou a pessoa menos tecnológica do mundo, mas consegui me inscrever. Para quem não praticava nenhum exercício, a ideia da caminhada foi realmente a mais sensata”, afirmou a professora, dando sua opinião profissional sobre o assunto.

Além dos quilinhos a menos, o jornalista consegue ver melhoras na qualidade de vida desde as pequenas coisas. A mulher dele ficou muito feliz em perceber a diferença no sono dos dois. “No quarto dia, minha mulher disse que eu parei de roncar, embora eu negue até a morte que algum dia ronquei”, brinca.

Alimentação
Em uma seção à parte no blog, Marcus Andrey fala sobre sua alimentação, que mudou sem radicalismos. O importante mesmo para o jornalista é manter o exercício físico em dia. “Eu estou aqui, caminhando, tranquilamente, mas não vou sair do parque e encarar um prato de batata frita”, disse ele, mostrando que compreende a importância de balancear as refeições. Ele ensina a regra simples que utiliza. “Na hora de comer, eu me pergunto: dá para mim? Vai me trazer algum benefício? Se não, eu não como”, relata.

Andrey se alimenta de tudo, exceto frituras e doces, e adicionou verduras, legumes e frutas ao seu cardápio. Amigos indicaram ótimos restaurantes de salada e ele está feliz com a alimentação que tem durante a dieta. Ele também se orgulha em dizer que juntou a família na ceia de Natal. “Eu como de tudo um pouco, só para não me arrepender depois e dizer que não tive ceia”, sorri, garantindo que caminhou no dia seguinte como se fosse uma data qualquer. Ele não conta com acompanhamento de nutricionista e nem personal trainer, porque defende que pode fazer a própria dieta de forma saudável sem gastar um centavo sequer.

No Parque da Jaqueira, Marcus caminha em companhia da voluntária do dia, Geise Nascimento, professora de pilates. Ela conheceu a iniciativa por uma colega da academia (Foto: Lorena Aquino/G1)

Se faltar, a amizade acaba
Desde o início das caminhadas, Andrey não teve um dia de descanso. Natal, Carnaval, Ano Novo e finais de semana, faça chuva ou faça sol, todos os dias ele encontra voluntários dispostos a doar cerca de duas horas de seu tempo para dar uma forcinha na dieta alheia, mas preza pelo compromisso. “Se marcar comigo e faltar, a amizade acaba”, diz, com firmeza e um sorriso. Já houve dias em que foi preciso caminhar sozinho, mas na maioria das vezes ele encontra voluntários espontâneos. “Uma vez a pessoa com quem eu marquei faltou e eu comecei a caminhar no sentido contrário da pista. Uma mulher me reconheceu de uma matéria em que apareci e começou a caminhar comigo”, diz, mostrando a facilidade com que a dieta se torna, de repente, prazerosa. É a ideia principal - ter com quem conversar e se exercitar junto.

Receita do sucesso
A Dieta da Rede Social foi inventada por ele, mas o jornalista explica, metaforicamente, que não foi um pensamento mirabolante. A ideia do blog é compartilhar e incentivar as pessoas a fazer o mesmo, de forma saudável e pessoal, reproduzindo uma receita simples de emagrecimento. “Na verdade, é a reinvenção da roda. As redes sociais são os vizinhos, os parentes, os amigos. Quando me perguntarem a receita do sucesso, vou dizer: escolha sete amigos e caminhe um dia da semana com cada um deles. Não existe gordinho tão introvertido assim que não tenha sete amigos. O importante é ter compromisso consigo mesmo e com o outro. É o que todo ser humano pode fazer, e deveria”, ensina.

Postar um comentário
UA-15674926-13