983706779

Páginas 2

sábado, 20 de abril de 2013

Usuários listam posts inconvenientes do Facebook

Google Imagens
Se você está entre os mais de um bilhão de usuários do Facebook, já deve ter percebido a verdadeira avalanche de informações recebidas a cada minuto na sua seção "feed de notícias".

Desde a criação desse recurso, em setembro de 2006, frequentadores do site de rede social tiveram que se acostumar ao recebimento de notícias e mensagens sobre os mais diversos assuntos ao longo do dia.

Mas há um mês, a estudante Luane Dias, do Rio de Janeiro, postou um vídeo no Youtube em que contesta práticas comuns no Facebook, como compartilhar intimidades e fazer um "diário público" no site.

O vídeo esteve entre os mais acessados do YouTube - foram mais de 2 milhões de visitas e 250 mil compartilhamentos em redes sociais.

Luane, que atualmente possui três contas no Facebook, uma de Twitter e um canal no Youtube dedicado a seus vídeos, ficou irritada com as postagens feitas pelas amigas que, segundo ela, não trazem nada de novo e interessante a ninguém.

"Tudo que vai fazer bota no Facebook. Essa p*** virou diário agora?", reclama a estudante. "Guarde sua vida pessoal pra você."

A BBC Brasil compilou uma lista de reclamações de usuários do Facebook. Na maior parte das vezes, elas se referem ao compartilhamento excessivo de situações corriqueiras do dia-a-dia.

São as atualizações com característica de "diário irrelevante, que mostram não apenas o que a pessoa está comendo, mas que ela está entrando no metrô, ou indo trabalhar, indo à academia", segundo a secretária Claudia Ribas.

Entre as mensagens classificadas como "de mau gosto", estão aquelas que trazem fotos de "crianças machucadas ou com câncer, pedindo todo tipo de ajuda", afirma o assistente administrativo Wellington Roger.

Segundo o gerente de turismo Neto Fernandes, irritam também os amigos que "ficam narrando futebol e novela ou passam o dia reclamando que o tempo tá muito frio, muito quente, ou (está) chovendo demais".

O músico Gustavo Garcia menciona os "falsos intelectuais" que, segundo ele, compartilham as mensagens mais irritantes. Em geral, para expressar a admiração "àquele ator, músico ou celebridade da década de 40 que faleceu, mas de quem eles nunca ouviram falar".

Outros, como o recepcionista Agnaldo Santos, criticam os "usuários que estão em busca de uma discussão acalorada sobre religião, futebol ou até sobre o último capítulo da novela".

No entanto, a prática unânime entre as reclamações compiladas pela BBC Brasil é a de postar mensagens do tipo "curta ou compartilhe". "Se você ama a sua mãe, compartilhe com sete pessoas. Se quer que ela morra, apenas olhe!", brinca a oficial de chancelaria Juliana Ciccarini.

A tradutora Luciana Paquet lembra ainda das frases de autoajuda ou inspiração "atribuídas a Chico Xavier, ao Dalai Lama e até a William Shakespeare".

Autoafirmação

No último mês de março, o fundador e diretor do Facebook Mark Zuckerberg divulgou uma pesquisa da consultoria IDC Research Report, encomendada pela empresa, mostrando o tempo que os usuários do site gastam com seus posts e os de seus amigos.

São quase 33 minutos diários utilizados para atualizações, comentários e "curtir" nas mensagens e fotos dos amigos. Esse tempo é dividido em uma média de 13 visitas ao site por dia, de acordo com o levantamento.

Para o psicólogo especialista em internet Graham Jones, da Sociedade Britânica de Psicologia, o tempo cada vez mais longo gasto com a atividade mostra como o Facebook aumentou a busca por autoafirmação.

Segundo Jones, as pessoas têm uma necessidade natural de buscar constantemente a aprovação dos pares para melhorar sua autoestima.

"Em geral, as pessoas querem construir uma imagem delas mesmas que às vezes não é tão real. Por exemplo, os que querem se mostrar mais saudáveis irão postar a salada que estão comendo, ou (algo) sobre a corrida que estão fazendo no parque, mas isso não significa que elas sejam realmente assim", disse à BBC Brasil.

"O que eles estão fazendo é tentar projetar uma imagem mais positiva para os outros."

De acordo com o psicólogo, a grande quantidade de informação faz com que algumas pessoas se sintam pressionadas a comentar e a curtir a todo momento, além de sentirem a necessidade de compartilhar atualizações sobre si mesmo a todo instante.

"O fato das pessoas utilizarem o Facebook por tanto tempo sugere que existe muita informação para ser digerida. Com isso, surge uma ansiedade um certo nível de stress por dois motivos: primeiro, por causa da percepção de que está se perdendo o controle com tanta informação e, segundo, porque começamos a nos sentir excluídos quando vemos nossos amigos de férias em lugares exóticos ou restaurantes sofisticados, enquanto nossa realidade não é bem essa", diz Jones.

Em um estudo realizado com 200 estudantes da Universidade Napier de Edimburgo, divulgado em 2011, aproximadamente uma em cada 10 pessoas disseram se sentir ansiosas e estressadas por investirem tanto tempo no Facebook.

Em sua seção de ajuda, no entanto, o site de rede social dá a seus frequentadores a possibilidade de parar de receber determinados posts de cada um de seus amigos - ou mesmo todas as atualizações deles

Os abusos no Facebook

Diário irrelevante: pessoas que contam "que estão entrando no metrô, indo trabalhar ou indo à academia" - Claudia Ribas, secretária.

Mau gosto: posts com fotos de "crianças machucadas ou com câncer, pedindo todo tipo de ajuda" - Wellington Roger, assistente administrativo.

Reclamões: "passam o dia reclamando que o tempo tá muito frio, muito quente, ou (está) chovendo demais" - Neto Fernandes, gerente de turismo.

Falso intelectual: atualizações citando "aquele ator, músico ou celebridade da década de 40 que faleceu, mas de quem eles nunca ouviram falar" - Gustavo Garcia, músico.

Curta ou compartilhe: "Se você ama a sua mãe, compartilhe. Se quer que ela morra, apenas olhe!" - Juliana Ciccarini, advogada.

Mensagens 'do bem': "atribuídas a Chico Xavier, ao Dalai Lama e até a William Shakespeare" - Luciana Paquet, tradutora.

Lenha na fogueira: posts de "pessoas que estão em busca de uma discussão acalorada sobre religião, futebol ou até sobre o último capítulo da novela" - Agnaldo Santos, recepcionista.

Postar um comentário
UA-15674926-13