983706779

quarta-feira, 15 de maio de 2013

App para Chrome avisa se loja virtual não é recomendada pelo Procon-SP

Fundação Procon-SP listou 275 endereços eletrônicos para ser evitados.
Falta de entrega e de resposta ao consumidor são alguns dos problemas.

Se o consumidor não conseguir memorizar os 275 sites apontados pela Fundação Procon-SP como não recomentados para compras na web, não tem problema. Um desenvolvedor do Rio criou um aplicativo que os identifica e avisa se ao internauta se está navegando em uma das lojas virtuais listadas.

O “Lista Segura” é uma extensão para o navegador Google Chrome. Pode ser baixado gratuitamente na Web Store, loja de plug-ins para o browser (veja aqui)

Funciona assim: depois de instalar o aplicativo, em todas as vezes que um site da lista for acessado, um círculo vermelho com um “X” branco irá aparecer ao lado do endereço no navegador.

saiba mais

Ao clicar no símbolo, serão mostradas as informações do site, como data de inclusão na lista do Procon e nome da empresa responsável.

A última edição do rol de sites não recomendados foi feita em abril de 2012 e trouxe 71 novos sites que os consumidores devem evitar. Entre eles, o Armazém Games.

A Fundação Procon informa que recebeu reclamações desses sites por irregularidades na prática de comércio eletrônico, principalmente por falta de entrega do produto adquirido pelo consumidor, sem resposta deles para a solução do problema.

A direção do Procon salienta que é preocupante a proliferação desses endereços eletrônicos mal- intencionados. Em alguns casos, os sites continuam no ar, lesando o consumidor.

“Denunciamos os casos ao Departamento de Polícia de Proteção à Cidadania (DPPC) e ao Comitê Gestor da Internet (CGI), que controla o registro de domínios no Brasil, mas o mais importante é que o consumidor consulte essa lista antes de fechar uma compra pela internet”, afirma Paulo Arthur Góes, diretor-executivo do Procon-SP, em nota.

Imagem do app "Lista Segura" que mostra sites de compra na web que não são recomendados pelo Procon-SP (Foto: Reprodução)

Postar um comentário
UA-15674926-13