983706779

quarta-feira, 14 de outubro de 2015

Levar Velhas Idéias para Pessoas que Nunca as Viram Antes


A primeira maneira de convencer pessoas de você fez algo criativo é mostrar a elas uma velha idéia que elas não conheçam. Pessoas, grupos e empresas que fazem isso sempre, e fazem bem, agem como bandos de sacoleiros curiosos que colecionam coisas diversas e estranhas que parecem não ter uso imediato. Eles vivem desenterrando velhas idéias e armazenando-as onde possam ser facilmente encontradas. Assim, estão sempre prontos para mostrar idéias que foram guardadas para pessoas que possam achá-las novas e úteis. 

Quando pessoas ou empresas possuem vínculo com indústrias, empresas ou locais espalhados que não têm muito contato uns com os outros, elas estão em uma posição especialmente boa para continuar surpreendendo os outros dessa maneira. A mesma coisa acontece quando unidades comerciais em grandes empresas descentralizadas com Hewlett-Packard, IBM e 3M operam como reinos isolados. Pessoas de dentro vinculadas a estes reinos que de outra forma estariam desconectadas estão em uma ótima posição para demonstrar antigas idéias -- muitas vezes vezes de outras partes de sua própria empresa -- que nunca haviam visto antes. Essas pessoas e grupos são algumas vezes chamas de "knowlege brokers (corretores de conhecimento)¨. Eles sobrevivem e lutam transferindo idéias de  onde elas são comprovadas e existem em abundância para onde não foram testadas e são desconhecidas.

Walt Conti, CEO da Edge Innovations, é um ótimo exemplo de broker. A Edge constrói animais mecânicos realistas que aparecem em filmes , como baleias assassinas de tamanho natural para Free Willy. Conti começou trabalhando na IDEO, onde sua consultoria com diversas empresas de alta tecnologia lhe ensinou a respeito de tecnologias  eletromecânicas e sofisticados sistemas de controle. Quando, mais tarde, foi trabalhar para o cineasta George Lucas na Industrial Light and Magic, descobriu que a industria do cinema estava utilizando tecnologias menos sofisticadas para criar animais mecânicos do que ele havia visto na IDEO. Conti formou a Edge para preencher essa lacuna e contratou a IDEO para ajudar seus engenheiros a desenvolverem animais melhores. A Edge construiu criaturas "animatrônicas" superiores transferindo conhecimento de de empresa de alta tecnologia para a indústria do cinema. A baleia assassina mecânica de 3.600 quilos e tamanho natural em Free Willy, por exemplo, parecia tão realista que as platéias não sabiam dizer quando Keiko (a baleia verdadeira) ou a criação da Edge estava na tela. Essa baleia de mentira parecia tão real, na verdade, que Keiko tentou cruzar com ela. A Edge produziu outros animais mecânicos, incluindo as baleias assassinas dos dois filmes seguintes da série Free Willy, o golfinho Flipper, e uma serpente de 12 metros e 2.500 quilos que continha mais de 65 quilômetros de cabo e mais de 70 microprocessadores para Anaconda.

A IDEO inova da mesma maneira, capitalizando em sua posição como broker entre diferentes indústrias. Projetando mais de 4 mil produtos, a IDEO já trabalhou com centenas de empresas diferentes em dezenas de indústrias. Os projetistas da IDEO viram tantas tecnologias, produtos e truques de design diferentes que constantemente trazem para o cliente soluções novas para suas empresas ou indústrias, mas que já resolveram problemas semelhantes em outros lugares. Por exemplo, eles desenvolveram uma "válvula de fenda" para uma inovadora garrafa de água para a empresa de bicicletas Specilized. É uma vávula plástica one-way pela qual os fluidos só podem passar quando a garrafa é apertada. Os engenheiros da IDEO tiveram essa idéia a partir de uma válvula cardíaca que era utilizada na indústria de produtos médicos. Quando mostraram um protótipo da válvula de fenda para executivos da Specialized , ela pareceu uma idéia nova porque jamais fora vendida antes na indústria de bicicletas. Os executivos da Specialized acreditaram que os clientes comprariam garrafas de água com válvulas desse tipo. Tinham razão. Ela se tornou um produto de sucesso.

VocÊ não precisa ser um especialista renomado mundialmente para conseguir esse tipo de criatividade. Você não precisa sequer trabalhar em uma determinada área por anos ou chegar até lá com treinamento formal. Você precisa apenas ser habilidoso e estar motivado em coleta de conhecimento a partir de diversas fontes, e em seguida imaginar como esse conhecimento poderia ser utilizado de novas maneiras. Se você continuar fazendo isso, desenvolverá uma reputação de criatividade dentro de sua empresa ou indústria. E se você (ou seu grupo ou empresa) tiver sorte e inteligência o bastante, ou se estiver suficientemente bem situado para continuar a desenterrar velhas idéias que outros considerem novas e valiosas, então você merece ser chamado de criativo também.

Fonte: Livro Idéias Malucas que Funcionam de Robert L. Sutton | pág 45



Postar um comentário
UA-15674926-13